“Vai ser importante o torcedor brasileiro receber bem as pessoas” destacou o capitão do tetra, Dunga

Capitão do tetra e técnico da seleção brasileira na Copa de 2010, na África do Sul, o gaúcho Dunga esteve no último sábado em Porto Alegre durante o Tour da Taça, promovido pela Coca-Cola e FIFA. A convite da CVI, o EsporteSUL participou da entrevista coletiva concedida à imprensa no Barra Shopping Sul. Veja o que ele falou sobre o maior evento esportivo do planeta e a seleção brasileira:

Atrasos no país

O Brasil, não é novidade, tem algumas coisas em atraso, mas ainda tem 40 e poucos dias e a gente espera que tudo possa ser solucionado, e que se tenham condições básicas pra gente fazer uma boa Copa do Mundo, e principalmente receber o pessoal de fora, que saia falando bem do Brasil. E acho que isso vai ser fundamental, o torcedor brasileiro, o povo brasileiro que é especialista em receber as pessoas.

A força de jogar em casa

Vai ser essencial, assim como na Copa das Confederações já foi uma grande amostra, quando o povo abraçou a seleção brasileira. A gente via nos estádios o torcedor cantando o hino com orgulho, com entusiasmo. Isso passou para os jogadores essa atmosfera positiva e o Brasil jogou o futebol que nós vimos e acredito que isso possa se repetir dentro da Copa do mundo.

Favoritos

As seleções tradicionais. A Bélgica vem muito bem e eu acredito que a Argentina fará um grande papel na Copa do Mundo. Talvez um Brasil e Argentina na final para ser com bastante rivalidade.

Dunga espera uma final entre Brasil e Argentina. Foto: Diogo Viedo / EsporteSUL

Dunga espera uma final entre Brasil e Argentina. Foto: Diogo Viedo / EsporteSUL

Dunga na Copa 2014

Vou fazer alguns comentários para a televisão mexicana nos jogos da seleção deles e também de outros jogos da Copa do Mundo.

Sensação de erguer a taça

É um momento único na nossa vida. Levantar a taça que representa o futebol mundial, 20 capitães até hoje levantaram ela. O Brasil tem 120 campeões e eu faço parte dessa geração. Então é uma coisa única, imensurável. Desde menino a gente sonha em jogar futebol, participar de uma Copa do Mundo. Ganhar então, e levantar a taça, eu acho que não estava nem nos meus planos e nem em utopia. E realizar isso é alegria total.

Cuidados que a seleção deve ter

Acho que todos os técnicos tem o cuidado na questão de não se deixar envolver pela atmosfera externa, dos jogadores terem uma boa preparação, ter tranquilidade, privacidade necessária para a Copa do Mundo, porque todos querem chegar perto dos jogadores, mas tem que entender que os jogadores tem que ter a concentração diferente dos torcedores. E principalmente não se deixar surpreender pelas seleções que vão vir ao Brasil, que tem tanta qualidade, só que nós temos que nos superar.

Dunga acredita no apoio do povo brasileiro ao evento. Foto: Diogo Viedo / EsporteSUL

Dunga acredita no apoio do povo brasileiro ao evento. Foto: Diogo Viedo / EsporteSUL

Incerteza da conclusão das obras

Vai ter, não tem como a gente fugir desse aspecto. Mas torno a repetir, o que vai fazer a diferença é a população, o povo brasileiro, com alegria, com dinamismo. E nós temos que entender que a Copa do Mundo foge um pouco só da questão do campo, da rivalidade. Quem vem para uma copa vem para se divertir. Então isso vai ser importante o torcedor brasileiro receber bem as pessoas.

Neymar protagonista

O mais importante, apesar do Neymar ser a grande figura, ele tem que ter um grupo atrás dele, como foi em todas as seleções. Mesmo o Pelé tinha uma seleção que dava uma sustentação. E quanto ao Neymar decidir, ele já está habituado a isso, desde a época do Santos e na seleção brasileira ele sabe que é o jogador que tem que fazer a diferença e já cresceu com isso.

Fred

Voltou novamente num bom momento depois das lesões. Teve uma Copa das Confederações excelente. Esteve comigo na seleção, mas teve uma pequena lesão no pé que o afastou por um bom tempo, e é um jogador que define. Assim como o grupo jogar em função do Neymar, a bola chegando à área, ele faz o gol.

Dunga mostrou confiança do time de Felipão. Foto: Diogo Viedo / EsporteSUL

Dunga mostrou confiança do time de Felipão. Foto: Diogo Viedo / EsporteSUL

Beira-Rio

Não só a Beira-Rio como todos os estádios tem qualidade para receber bem o torcedor. Aqui talvez a estrutura fora do estádio tenha que acelerar um pouco, mas acho que até a Copa, o que tiver que ser feito ou o que deixar de ser feito, vai se superar pela alegria do evento, pelo entusiasmo do torcedor.

Grupo de 94

A união era um dos fatores fortes, mas principalmente jogadores de muita personalidade, decididos a atingir um objetivo, e o pessoal pensava mais na parte coletiva do que na parte individual. Em alguns momentos a gente quer muitas coisas e às vezes você tem que deixar de lado o que é bom para você, e a seleção conseguia isso. E era também uma seleção que queria marcar uma época. Faltava um título mundial, e o Brasil fazia 24 anos que não ganhava, então era um grupo que não media esforços para chegar ao seu objetivo.

Sentimento da última copa

Basta ver o jogo e relembrar a forma como o Brasil jogou o primeiro tempo e o que aconteceu no segundo. Em dois ou três minutos nós fomos penalizados e perdemos a oportunidade de continuar na Copa do Mundo. Tivemos um gol anulado injustamente, então tudo isso fica marcado. Mas, é a Copa do Mundo. Você pode ter uma seleção tão preparada, mas piscou um minuto, teve um erro, uma falha e acaba todo sonho.

Por Diogo Viedo, em 29/04/2014.

Notícias Relacionadas