Equipe Formula UFSM apresenta carro Celeris, que representará o Brasil na Formula SAE, nos Estados Unidos

Em evento realizado na manhã da última quarta-feira (11/03), no auditório do anexo C do Centro de Tecnologia da UFSM, a equipe Formula UFSM apresentou o seu 6° protótipo de carro de corrida. Batizado como Celeris (FU-15), a mais nova criação da equipe santa-mariense será uma das duas representantes brasileiras na competição mundial Formula SAE, que acontecerá de 17 a 20 de junho na cidade de Lincoln, nos Estados Unidos. Em solo norte-americano pela segunda vez, graças ao bom desempenho alcançado na edição nacional da competição, o grupo formado por estudantes da UFSM serão avaliados entre outros 200 projetos de universidades do mundo todo.

Segundo melhor colocado na classificação geral entre os protótipos brasileiros na Formula SAE Brasil, disputada em outubro passado, em Piracicaba (SP), com o carro Pégaso, o grupo santa-mariense, vice-campeão nacional em 2012, acabou conquistando o 27º lugar na etapa mundial, realizada em Lincoln, Nebraska, na sua primeira participação em Mundiais, em junho de 2013, com o protótipo Artax.

Após a apresentação do novo carro, o atual capitão da equipe, Fernando Leal e o ex-capitão da equipe, José Felipe Scholz aproveitaram para fazer uma retrospectiva da equipe que no dia 17 de março está completando 5 anos de existência.

Celeris foi apresentadno em evento na manhã desta quarta. Foto: Divulgação/Formula UFSM

Celeris foi apresentadno em evento na manhã desta quarta. Foto: Divulgação/Formula UFSM

Celeris é irmão de Pégaso, cavalo alado da mitologia grega. Na Formula UFSM, no entanto, Celeris é o nome do sucessor de Pégaso, nome do 5° protótipo da equipe, desenvolvido no ano de 2014. Em comparação com o seu antecessor, a principal novidade do novo carro está no kit aerodinâmico. As novas regras da competição exigiram que as dimensões da asa diminuíssem, e a equipe teve de realizar essas mudanças perdendo o mínimo possível de downforce – força vertical que melhora a aderência nas curvas.

O carro conta com motor Honda CBR 600RR, pesa 210 quilos e vai de 0 a 100 km/h em 3,9 segundos. Com esse projeto, a intenção da equipe é alcançar o top 10 mundial e conquistar o primeiro lugar na competição nacional, que conta anualmente com a participação de 30 equipes.

– As expectativas, como sempre, são as de superar os resultados dos anos anteriores. O objetivo então é alcançarmos o primeiro lugar tanto na etapa nos Estados Unidos quanto aqui. A gente sabe que a competição é muito acirrada nos EUA. Embora queiramos estar no rol dos dez primeiros, nós vamos sempre para vencer, não só para participar. – salienta o professor orientador do projeto, Mario Martins.

Nos Estados Unidos, os protótipos passarão por inspeção técnica, que avaliarão se os carros atendem a todos os pré-requisitos da SAE (sociedade dos engenheiros automotivos), que organiza a competição. Avaliam-se também os relatórios de custos e a viabilidade de manufatura, considerando-se a precisão dos dados apresentados. Depois disso, a equipe deve apresentar a uma banca de juízes as propostas para a fabricação de uma linha de 125 ou mais unidades anuais do protótipo. É analisado também o conceito do veículo, emprego de tecnologias, inovações, qualidade do projeto e esforço empregado pela equipe.

Depois de ir para a pista, o protótipo passa por quatro etapas. A primeira testa a aceleração, numa pista de 75 metros em que são possíveis duas tomadas com cada um dos pilotos da equipe. Com o objetivo de medir a aderência lateral, na segunda etapa o veículo percorre duas vezes uma trajetória circular de 15,25 metros, com 3 metros de diâmetro. A terceira etapa é a Autocross, que acontece em uma pista de mil metros, para análise de frenagem, aceleração, direção e suspensão. Por último, mas não menos importante, o carro participa de um enduro de 22 quilômetros, no qual são avaliados o tempo em que completa a prova, o consumo obtido no percurso, o tipo de combustível utilizado e a quantidade de poluentes emitida.

Para participar da competição mundial, estima-se que sejam necessários R$ 300 mil, valor a ser gasto nas passagens aéreas dos 13 membros da equipe, bem como em diárias de hotel, transporte dentro dos Estados Unidos e manutenção do carro, entre outras despesas. Os custos serão cobertos por patrocinadores, que terão seus nomes anunciados nas camisetas da equipe, folders e no protótipo.

Além disso, a Formula UFSM obtém doações em dinheiro no site Arrekade. Na página, pessoas físicas podem contribuir com a equipe e – com doações acima de R$ 20,00 – também ganhar brindes. O objetivo de arrecadar R$ 5 mil já foi alcançado, mas o link para doação permanecerá ativo até 1° de junho. Outras informações sobre a equipe encontram-se em sua página oficial: formulaufsm.com.

Equipe Formula UFSM e o novo carro que disputará a Formula SAE nos Estados Unidos. Foto: Divulgação/Formula UFSM

Equipe Formula UFSM e o novo carro que disputará a Formula SAE nos Estados Unidos. Foto: Divulgação/Formula UFSM

Por Diogo Viedo/Germano Molardi (UFSM), em 13/03/2015.

Notícias Relacionadas