Sem Zico, FIFA recebeu oito candidaturas à presidência da entidade que comanda o futebol mundial

Federações afiliadas à FIFA propuseram, em tempo e forma, sete candidatos para a eleição presidencial da entidade máxima do futebol, prevista para o dia 26 de fevereiro de 2016, no Congresso Extraordinário, em Zurique, na Suíça. Com o apoio de apenas duas federações (São Tomé e Príncipe e Angola) eram necessárias pelo menos cinco, Zico não protocolou a candidatura, que tinha como prazo limite a noite da última segunda-feira (26/10), e está fora da disputa.

Os candidatos que registrarão intenção de concorrer à vaga de Joseph Blatter são: o príncipe Ali Bin Al Hussein, Musa Hassan Bility, Jérôme Champagne, Gianni Infantino, Michel Platini, HE Sheikh Salman bin Ebrahim Al Khalifa e o Tokyo Sexwale.

Mesmo protocolada, todas as candidaturas serão avaliadas pelo Comitê de Ética Independente, que após verificar a existência de irregularidades, deverá entregar uma documentação completa sobre cada candidato, mas não vai dar qualquer recomendação quanto à possibilidade ou não um candidato pode concorrer à presidência da FIFA.

Já no caso do francês Michel Platini, punido por 90 dias pela própria FIFA, tem sua habilitação para o pleito ainda sob análise do Comitê Eleitoral.

Após a recepção dos resultados das verificações de integridade, a Comissão Eleitoral voltará a se reunir, a fim de avaliar as propostas e validar a sua conformidade com as disposições regulamentares da FIFA aplicáveis. Na sequência deste processo, a Comissão Eleitoral se manifestará oficialmente em relação aos candidatos que são elegíveis para se para o cargo de presidente da FIFA.

Sede da FIFA em Zurique terá novo comandante a partir de 2016. Foto: Divulgação/FIFA

Sede da FIFA em Zurique terá novo comandante a partir de 2016. Foto: Divulgação/FIFA

Conheça os oito postulantes à presidência da Fifa, marcadas para 26 de fevereiro de 2016, de acordo com levantamento do Máquina do Esporte, do UOL:

Ali Bin Al Hussein (Jordânia, 35 anos)
Vice-presidente para a Ásia da Fifa e único concorrente de Joseph Blatter nas eleições de maio.
Bolsa de apostas: É um nome que vai fortalecido para o pleito, especialmente se Michel Platini não concorrer.

Gianni Infantino (Suíca, 45 anos)
Secretário-geral da Uefa e braço direito de Michel Platini, suspenso pelo comitê de ética da Fifa por 90 dias.
Bolsa de apostas: É o candidato-surpresa que ganhou força por ter o apoio da Uefa. Não estava cotado até o final de semana, agora pode ser um forte concorrente.

Tokyo Sexwale (África do Sul, 62 anos)
Conhecido por ter divido cela com Nelson Mandela, Sexwale não tem grande vínculo com o esporte. Seu currículo se resume à organização da Copa do Mundo na África do Sul.
Bolsa de apostas: É azarão. Ganhou algum nome no futebol durante o Mundial de 2010, mas naquele ano o “cara” da África do Sul era Danny Jordan, que está enrolado com as questões envolvendo corrupção na Fifa.

Salman Bin Ibrahim Al Khalifa (Bahrein, 49 anos)
É o atual presidente da Confederação Asiática de Futebol (AFC), entidade com o segundo maior contingente de votos no pleito. Membro da família real barenita, acumula acusações de violação dos direitos humanos.
Bolsa de apostas: Até pode ganhar bastante votos na Ásia. Mas não é a “cara limpa” que a Fifa mais desejaria neste momento.

Jérôme Champagne (França, 57 anos)
É diplomata francês e foi dirigente da FIFA, na área de relações internacionais, de 1999 a 2010. Apontado como candidato de Joseph Blatter.
Bolsa de apostas: Apareceu e falou mal da direção da Fifa antes das eleições deste ano. Mas começa a ficar mais para trás com o possível apoio, atualmente nada interessante, de Blatter.

David Nakhid (Trinidad e Tobago, 51 anos)
Foi capitão da seleção de Trinidad e Tobago entre 1992 e 2004, disputando 35 partidas oficiais. Passou pelo futebol da Bélgica, Grécia e Suíça.
Bolsa de apostas: Tal qual o período em que jogou futebol, é zebra. Ajudou a colocar seu nome em evidência. Só isso.

Michel Platini (França, 60 anos)
Apesar do envolvimento no escândalo de corrupção da Fifa, Platini segue na disputa. O ex-jogador é presidente da Uefa desde 2007 e era apontado, antes da suspensão, como favorito ao cargo. Ídolo da seleção francesa, foi eleito o melhor jogador do mundo em 1983, 1984 e 1985, entre outros títulos individuais.
Bolsa de apostas: É o nome mais forte, se puder concorrer. E é isso o que, neste momento, pesa contra o francês. Está suspenso pela Fifa, talvez nem esteja elegível em 26 de fevereiro.

Musa Bility (Libéria, 48 anos)
Presidente da federação de futebol da Libéria desde 2010. Empresário, CEO da srimex, do ramo de importação de produtos de petróleo e cimentos.
Bolsa de apostas: Apareceu na bacia das almas para concorrer. Deve ser só um figurante no pleito.

Por Diogo Viedo, em 29/10/2015.

Notícias Relacionadas