Com trajetória de títulos, santa-mariense alimenta sonho nos EUA

Para alcançar o sonho de iniciar uma carreira de jogador profissional de futebol não basta apenas ter talento com a bola nos pés. Coragem, determinação, força de vontade e capacidade de superar as muitas adversidades são requisitos fundamentais para todos que almejam um futuro de sucesso nos gramados.

Militz se firmou no time que tem sotauqe brasileiro. Foto: Divulgação/Boca Raton

Militz se firmou no time que tem sotaque brasileiro. Foto: Divulgação/Boca Raton

Tais atributos não faltam ao santa-mariense Bruno Militz, que decidiu arriscar a sorte no esporte longe do Brasil. Inscrito em um programa de intercâmbio esportivo, Bruno deixou Santa Maria em abril de 2015 rumo ao estado norte-americano da Flórida para iniciar os estudos em um MBA na Lynn University International Business e tentar cavar um espaço no promissor futebol norte-americano.

Na terra da Disney, tão logo chegou, o meia de 25 anos foi integrado ao Boca Raton FC na temporada 2015 e conquistou no último domingo (07/08), o seu segundo título da American Premier Soccer League (APSL), uma das ligas semi-profissionais americanas, disputada por oito clubes do estado mais ao sul dos Estados Unidos.

Titular da equipe, o meio-campista de 25 anos, que atua mais deslocado pelos lados no sistema de jogo 4-2-3-1 adotado pelo técnico equatoriano Pedro Yunes, esteve em campo em nove das 10 partidas do Boca na liga e marcou quatro gols durante o torneio disputado desde abril. Na tarde de domingo, os atuais campeões conquistaram o bicampeonato após vitória por 2 a 1 sobre o Uruguai Kendall, mesmo adversário da final de 2015, em jogo realizado no Tropical Park Stadium.  Os atacantes Xavier Silva e Giovanni DiMauro marcaram os gols do título.

Na campanha vitoriosa do time da cidade localizada no condado de Palm Beach, Bruno foi companheiro de outros seis brasileiros, entre eles dois experientes jogadores compatriotas: o atacante Amoroso, campeão do mundo pelo São Paulo, e o zagueiro Luizão, ex-Vasco e Cruzeiro.

Bruno Militz (terceiro da esquerda para a direita) com a medalha de campeão, ao lado de Amoroso. Foto: Divulgação

Bruno Militz (terceiro da esquerda para a direita) com a medalha de campeão, ao lado de Amoroso. Foto: Divulgação

Em 2015, em seu primeiro ano atuando na América do Norte, Militz marcou três gols com a camisa alviazul do Boca Raton, que, somados aos da temporada atual, o colocam atualmente como um dos cinco maiores artilheiros do clube, fundado no início de 2015, com sete gols.

Plenamente adaptado à vida nos arredores de Miami e feliz com o bom momento, o camisa 7 mantém o foco no seu grande objetivo ao deixar sua terra natal:

– Com certeza me faz sonhar com uma carreira futebolística, principalmente pelas oportunidades que temos nos clubes. O time é uma grande visibilidade para o desenvolvimento dos atletas, assim como a faculdade também. O principal objetivo é tentar focar no que foi vir pra cá para jogar futebol, e conseguir partir para o próximo passo, que será uma carreira profissional. – revela Bruno, que também trabalha na área administrativa do Boca Raton FC.

Bruno Militz é titular absoluto do time da cidade ao sul da Flórida. Foto: Divulgação/Boca Raton FC

Bruno Militz é titular absoluto do time da cidade ao sul da Flórida. Foto: Divulgação/Boca Raton FC

Na campanha campeã de 2016, foram quatro vitórias, dois empates e apenas uma derrota na fase de classificação. No duelo válido pelas quartas de final, vitória por 3 a 1 sobre o Miami Nacional. Já na semifinal, a goleada por 6 a 0, aplicada no South Florida FC, colocou o time que tem o carioca Douglas Heizer como presidente, na grande decisão do último domingo.

Com a nova conquista, o Boca Raton FC, que em janeiro e fevereiro recebeu os ucranianos do Shakhtar Donetsk e os nova-iorquinos do Cosmos para dois amistosos, volta a se credenciar para a disputa da US Open Cup – competição que reúne clubes das quatro divisões nacionais, equivalente à Copa do Brasil, disputada desde 1914. Além da copa nacional, o Boca estuda também a participação na NPSL (National Premier Soccer League), disputada por times de 29 estados norte-americanos.

– O Boca tem o convite para participar da NPSL. O time está pensando, mas não tem nada concreto ainda. Com certeza o maior foco será a US Open Cup. – afirma o santa-mariense, que se destaca pela grande movimentação e excelente arremate de longa distância.

 Na semifinal, Bruno marcou um golaço, o quarto da vitória sobre o South Florida FC. Veja:


Por Diogo Viedo, em 08/08/2016.

Notícias Relacionadas