A redenção de Marcelo

esporte e mente

Quando o lateral esquerdo do Real Madrid avançou pela esquerda do ataque brasileiro em triangulação com seus companheiros e tocou suavemente por cima do excelente goleiro paraguaio, não apenas selou em 99,99% a participação do Brasil no mundial da Rússia. Ele também confirmou o quão edificante é o jogo dessa Seleção de Tite. Não basta jogar futebol.

Há espaço para o atleta encontrar sua redenção, depois do gol contra na estreia da Copa de 2014. E com a forte concorrência de Felipe Luis na sua sombra. Ou seja, Tite sabe fazer o que Dunga (em dois momentos) e Felipão, muito menos Mano Menezes souberam fazer: os dois melhores laterais esquerdos do mundo estão em Madrid.

Tite também soube amadurecer Neymar, solidificando um time para o seu protagonista principal. Desde o anúncio de Tite no comando da Seleção, o atleta conquistou a medalha de ouro inédita nos Jogos Olímpicos, e ascendeu consideravelmente na sua liderança técnica e protagonismo no seu clube. Alguém imaturo poderia desabar após errar a cobrança de um pênalti decisivo.

Apenas um atacante sóbrio percebe a instabilidade técnica de seus defensores e aproveita para desarmá-los em sequência, com facilidade e a frente do treinador adversário. Levando chutes e pontapés, pisadas na mão e cavando faltas. Como a que não foi no pênalti marcado. Em outra arrancada, seu gol em disparada já não tão inédita dentro da partida. Expondo o ponto fraco do adversário.

Tite recuperou uma Seleção que naufragava em direção de vexames cada vez mais vexatórios. Não é o futebol vistoso de outras gerações, mas se impõe como todas as Seleções campeãs da nossa história. O gol de Marcelo e sua redenção, é apenas mais uma de tantas vitórias que Adenor Bachi conquistará no comando da equipe brasileira.

vinicius esporte e menteVinicius Geissler é psicólogo formado pelo Centro Universitário Franciscano e Coaching graduado pela SLAC. Atua na área esportiva desde 2013 e escreve nas horas vagas.

Notícias Relacionadas