Vinicius Munhoz apresenta dados do trabalho à frente do Inter-SM e espera decisão de continuidade

Em uma atitude pouco comum no próprio Inter-SM, o técnico Vinicius Munhoz convocou integrantes da imprensa no final da tarde desta terça (13/06) para apresentar uma espécie de relatório do trabalho desenvolvido à frente da equipe, encerrada dentro do campo há exatos dez dias, quando acabou derrotado pelo São Luiz e terminou a Divisão de Acesso na terceira colocação, atrás apenas da dupla que conquistou a vaga à Serie A (Avenida e o algoz de Ijuí).

Acompanhado pelos demais membros da comissão técnica, como o auxiliar Thiago Costa, o preparador físico Gustavo Pires, o analista de desempenho André Corrêa, além do preparador de goleiros Mateus Bolívar, o auxiliar Ricardinho, o supervisor Paulo Santos e o diretor de futebol Cesar Saccol, o treinador santa-mariense explicou aos repórteres presentes no encontro realizado nas dependências do restaurante do estádio Presidente Vargas aspectos que seriam novamente abordados em reunião com os conselheiros logo a seguir, como os critérios adotados pela diretoria alvirrubra e pela comissão técnica na montagem e escolha do elenco para representar o clube na temporada 2017 e a tônica da preparação na pré-temporada iniciada em 11 de janeiro e que se entendeu por oito semanas em um total de 72 sessões de treinamentos.

Treinador detalhou o trabalho realizado em encontro com profissionais da imprensa de Santa Maria. Foto: Diogo Viedo/EsporteSUL

Treinador detalhou o trabalho realizado em encontro com profissionais da imprensa de Santa Maria. Foto: Diogo Viedo/EsporteSUL

Com vídeos e imagens reproduzidas pelo analista de desempenho, Munhoz detalhou o modelo de jogo e filosofia de trabalho implantadas durante a competição e não escondeu o desejo de permanecer na casamata do Inter-SM para a disputa da Copa FGF que movimenta o futebol gaúcho no segundo semestre, caso a nova diretoria executiva opte pela participação do clube no torneio que dará vaga à série D nacional e Copa do Brasil em 2018.

– Foi plantada a semente agora. Independente do resultado e do que for acontecer. Mas, o trabalho tem que acontecer, e não para ter como objetivo final só o resultado, mas sim, uma coisa fundamental, que é uma coisa construída. Foi o que nós tentamos fazer aqui. Esse clube tem uma grandeza enorme, basta que a gente comece a pensar de forma organizada para ter condição de dar um passinho a mais. – destacou Vinicius Munhoz, ao final de sua apresentação de cerca de 50 minutos.

Para seguir adiante com a proposta empregada desde sua chegada à Baixada em janeiro, Munhoz precisará aguardar uma definição sobre o futuro político no Presidente Vargas, já que Heriberto Marquetto deixará o cargo de presidente do colegiado. Com eleições previstas apenas para o mês de outubro, a nova escolha da executiva, no entanto, deve ser antecipada a fim de que o novo mandatário tenha tempo para estudar a viabilidade da participação na Copa, que deve ser confirmada até o dia 3 de julho.

– A partir da continuidade do trabalho, muitos benefícios pode-se ter. O trabalho acontecendo no segundo semestre podemos ter uma condição de manutenção da equipe. Seguir desenvolvendo nosso modelo de jogo, nossas ideias, tendo em vista o objetivo principal que o clube tem que ter na minha opinião, que é o acesso em 2018. Acho que só teríamos benefícios com a continuidade do trabalho. Temos exemplo de sucesso muito próximos de nós aqui. O próprio Novo Hamburgo, que foi campeão gaúcho, que começou esse trabalho que culminou com o título no ano passado, na Copa da Federação. Então eu acho que a gente poderia colher frutos positivos se o trabalho tivesse continuidade no segundo semestre. – finalizou o treinador que comandou o time santa-mariense em 18 jogos e conquistou 53,75 de aproveitamento, com oito vitórias, cinco empates e cinco derrotas e por pouco, não alcançou a vaga de volta à elite estadual nesta temporada.

Por Diogo Viedo, em 13/06/2017.

Notícias Relacionadas