Opinião: Mais uma mancha no futebol amador da cidade

O dia 16 de julho de 2017 jamais será esquecido por quem esteve presente no Estádio dos Eucaliptos. O que era para ser mais uma grande decisão de Copa dos Campeões, a 16ª edição, entre Sport e Vila Esperança, por muito pouco não acabou em tragédia. Apesar de não ter acontecido nenhuma morte, os episódios ocorridos no domingo, são tão dolorosos que correspondem a um dos piores episódios da história do futebol amador de Santa Maria. Para quem como eu que desde 2007, ano em que comecei a trabalhar oficialmente na Rádio Santamariense, dificilmente deixou de acompanhar um jogo de futebol nas praças esportivas de Santa Maria aos domingos à tarde, bombas e foguetórios jogados ao gramado, invasões de campo e as rusgas são comuns. Já havia presenciado sim, algumas agressões. Porém, nada comparado ao que aconteceu no fatídico 16 de julho, na casa do Riograndense. O cenário chuvoso, obviamente, já tornaria o jogo mais pegado entre as duas equipes Sport e Vila Esperança. Times que se notabilizaram na 16ª dos Campões por serem realmente os de maior refinamento técnico, o que já dava um indicativo antes da bola rolar do jogão em que seria disputado.

E é justamente pela qualidade de jogo de Sport e Vila Esperança que não se esperava os episódios de selvageria e barbárie. Fatos ocorridos por quem deixou o futebol em segundo plano, e que de forma alguma admitia que sua equipe pudesse vir a ser prejudicada, por um erro de arbitragem. Quando faltavam pouco mais de 10 minutos para acabar o jogo, que estava empatado em 1 a 1, Lemos, infelizmente não percebeu, que após falta cobrada na intermediária esquerda de ataque, por jogador do Sport, a bola teria batido na mão de um jogador do Vila, o que gerou um contra-ataque e o 2 a 1 a favor do Vila Esperança. Equivoco grave, sim, mas capaz de acontecer com qualquer ser humano como o senhor Luiz Carlos Lemos, árbitro da partida, auxiliado pelos assistentes Fabiano e Jardel, e que assistimos não tão poucas vezes em jogos profissionais, como foi na partida CRB e Inter, em Alagoas, quando aos 42 minutos do 2ª tempo, após chute de Edenílson, o zagueiro Adalberto intercepta a bola com o braço. O defensor estava fazendo ação de bloqueio e assumiu o risco da infração. Lance não visto pelo Árbitro do jogo Héber Roberto Lopes e seus assistentes. Agredir um cidadão após uma infração como a ocorrida, não dando nem tempo para que Lemos, consulta-se os seus assistentes sobre o lance, desferindo a ele socos, chutes e pontapés, destruir um troféu de campeão, envergonhando o homenageado Dilson Siqueira, depredar um patrimônio, com chutes na porta do vestiário para invadir o local, com paus, pedras e foguetes, dizendo “de hoje ele não escapa”, ficando o árbitro ao fim das agressões todo ensanguentado enquanto aguardava a chegada do SAMU, convenhamos, que são atitudes de pessoas que não respeitam o futebol e que não merecem torcer e defender o clube do qual dizem ser apaixonados.

A punição ao punição ao Sport com, pelo menos, um ano de suspensão das competições em que a Liga Santamariense de Futebol Amador organiza ou está envolvida, agremiação, a qual sempre tive a maior admiração carinho e respeito, especialmente pelo seu Presidente Anor Ali, que não merece passar por essa vexame, serve de exemplo, para que representantes de outros clubes amadores da cidade, não venham a prejudicar suas equipes com atitudes que não devem ser aceitas no esporte, e que exigem rigor máximo de averiguação e punição.

Os culpados além da agremiação Sport, certamente serão punidos com rigor, seja na esfera desportiva ou criminal. Mas a maior punição que pode existir para a comunidade do futebol amador do município é o fim das competições da Liga Santamariense de Futebol Amador. O primeiro passo para pelo menos um período sem qualquer competição da Liga no segundo semestre, já foi dado com a coerente decisão de Paulo Malett, Presidente da Associação Central de Árbitros de Santa Maria, ACASM, que juntamente com os demais colegas de Luiz Carlos Lemos, decidem não trabalhar mais para a Liga Santamariense de Futebol Amador. O segundo pode estar relacionado a saída de Danilo Silva do Comando da Liga, deixando de organizar competições de futebol amador da cidade. Um abnegado que por tantos anos vem se dedicando com muita galhardia e de forma muito competente ao esporte da cidade. Resta aos amantes do futebol amador de Santa Maria, para que ele neste momento não seja sepultado, apenas a 1ª Copa Diário. Sua realização até agora está confirmada, portanto esperamos que chegue ao fim da forma mais exitosa possível.

Por Matheus Beltrame (repórter e apresentador do programa Balanço Final, da Rádio Santamariense.

Notícias Relacionadas