Após dois anos atuando nos Estados Unidos, Bruno Militz se despede do futebol

Nesta quarta-feira (09/08), o santa-mariense Bruno Militz, capitão do Boca Raton FC, que disputa a National Premier Soccer League (NPSL) nos Estados Unidos, anunciou o fim de sua carreira como jogador de futebol. Aos 26 anos de idade, o meio-campista estava na Espanha e quase assinou com um time da segunda divisão do país, mas recusou a chance de se tornar jogador profissional.

Com a decisão, o administrador de empresas retornará ao estado norte-americano da Flórida, onde vive há dois anos.

Desde 2015, Militz já ganhou diversos prêmios, como: duas American Premier Soccer League (APSL) pelo Boca Raton FC e uma Sunshine State Conference pela Lynn University. Além disso, foi eleito o jogador com maior desenvolvimento na temporada 2016-2017 pela Lynn University. Em toda sua carreira, Bruno disputou aproximadamente 50 partidas oficiais, marcou mais de 15 gols e forneceu cerca de 16 assistências.

Militz já disputou amistosos contra o New York Cosmos, Shakhtar Donetsk, São Paulo, Seleção Jamaicana e entre outros. Além disso, já foi companheiro de equipe do Marcio Amoroso e Luizão, mas atualmente é treinado pelo Athirson e joga ao lado do Edmar de Lacerda. O brasileiro foi revelado no futebol universitário há 2 anos pela Lynn University.

Bruno defendeu durante duas temporadas a Lynn University e o Boca Raton, ambos da Flórida. Foto: Divulgação

Confira na integra a nota oficial:

“Meu início de carreira foi como quase todos os brasileiros, que desde pequeno já jogam e se apaixonam pelo esporte. Na minha adolescência, joguei pelo colégio e por um time na cidade, na época, chamado de Dolce. Sem muita perspectiva de futuro no esporte, fui levando cada vez mais como um hobby e levando minha vida profissional mais em conta. Comecei a trabalhar quando tinha 14 anos juntamente com meu Pai e aos 18 anos ingressei na faculdade no curso de Administração de Empresas. Aos 22 anos me graduei e, não muito feliz no trabalho, resolvi sair da empresa. Em todo este tempo, sempre levei o futebol como minha paixão e como hobby, jogava praticamente todos os dias com meus amigos e outras pessoas. Meu primeiro plano era fazer apenas intercâmbio para aprender inglês, foi então que descobri através de uma amiga a empresa chamada Next Academy, que na época era Next Level Sports. Através da Next, tive a felicidade de participar do primeiro Showcase no Rio de Janeiro em dezembro de 2014 e recebi o prêmio de um dos destaques do campeonato. Após a premiação, recebi 5 propostas para estudar nos Estados Unidos, todas com 100% de bolsa, para fazer meu MBA e jogar pela faculdade na liga universitária americana.

Estava definitivamente vivendo um sonho, porque de início eu tinha uma ideia de apenas viajar para aprender inglês, mas fui para um país para aprender inglês, morar, jogar futebol e ainda estudar, tudo que eu mais gostava ao mesmo tempo. Quando cheguei, perguntei ao meu treinador da faculdade se tinha algum time da cidade para seguir treinando, pois ainda tinha 4 meses até começar a liga universitária. Foi então que tive a felicidade de conhecer o Boca Raton FC, time da cidade que iniciava sua história naquele ano. Meu primeiro ano pelo Boca foi excelente, onde ganhamos o campeonato que participamos e pela faculdade tive um desempenho individual bom, porém, a equipe não foi muito longe no campeonato.

No meu segundo ano, ganhamos novamente o campeonato de verão com o Boca Raton FC, tornando-nos bicampeões e pela Lynn University, ganhamos 2 títulos. Individualmente, tive um final de ano complicado em 2016, porque quebrei minha clavícula jogando pela quarta partida da liga universitária, onde me deixou 1 mês fora dos gramados. Porém, voltei ainda mais focado e com a mente de tentar ser um jogador profissional, pois pensei que se eu consegui chegar até onde eu estava, poderia ir mais longe. Finalizei minha última temporada pela faculdade e. depois de me formar no meu MBA, tinha tempo para focar e tentar me profissionalizar no esporte. Minha ideia de tentar ser profissional sempre foi porque eu não gostaria de me arrepender no futuro de não ter tentado, pois sei do meu potencial e da minha capacidade.

Neste meio tempo, tive o maior prazer de jogar amistosos contra grandes times, como: Shakhtar Donetsk, New York Cosmos, Seleção da Jamaica, São Paulo FC e entre outros. Também, o prazer de jogar junto com grandes profissionais como o Luizão, Amoroso e Edmar, fazer amizade com o treinador de goleiros José Moreira e ser treinado pelo Athirson. Estas pessoas me deram ainda mais confiança para seguir sonhando, pois acreditavam no meu potencial e me ajudaram muito a seguir tentando.

Faltando 1 mês para terminar a temporada pelo Boca Raton FC em 2017, fui convidado por um agente para ir à Espanha fazer teste em alguns clubes e tentar me profissionalizar. Lembro em muitas conversas com as pessoas por qual citei acima que eu só iria saber se realmente iria gostar desta vida, quando estivesse realmente vivendo para isto e esta era minha oportunidade. Chegando na Espanha, comecei os treinos e alguns testes. Logo, tive pela primeira vez a chance de viver a vida de um jogador. Depois de 20 dias de testes, consegui a chance de assinar com um time da segunda divisão da Espanha, meu sonho realizado depois de tanto esforço e dedicação, Porém, fui notando que a vida que eu estava sonhando não era bem o que estava me satisfazendo. Também, me senti cansado e não contente com muitas coisas. Pensando melhor sobre tudo isto, resolvi parar de jogar futebol.

Jamais irei dizer que desisti, pois atingi o meu objetivo e meu sonho que era chegar a um clube profissional, agora tenho certeza de que no futuro eu não irei me arrepender porque eu fiz meu melhor, me dediquei com todo meu esforço e dedicação. Me certifiquei de que podemos chegar aonde queremos na vida, só depende de nós. Meu coração disse que esta não é esta vida que eu quero levar, por isso, venho através desta nota informar que me retiro da carreira futebolística.

Eu tenho que agradecer ao futebol por toda vida que eu tive até hoje, porque o esporte é uma coisa incrível onde conhecemos pessoas incríveis. Hoje vivo nos Estados Unidos e busco por uma qualidade de vida melhor por causa do futebol. Serei grato para todo o sempre por gostar tanto deste esporte, que jamais deixarei de amar. Acho incrível o incentivo dos americanos colocando as crianças desde pequenas em qualquer que seja o esporte, porque ele te ensina tanta coisa, como: liderança, saber ganhar e perder, trabalho em equipe e entre outros.

Quero agradecer de coração a todos os meus amigos que eu fiz nesta jornada de 2 anos nos Estados Unidos, as pessoas que me apoiaram, cuidaram de mim quando eu mais precisei, aos meus amigos da minha cidade, que também sempre me apoiaram e fizeram com que eu renovasse minhas energias em cada visita que os fiz quando voltei ao Brasil. Além disso, a minha família, que foram as pessoas mais importantes nesse projeto, que sempre acreditaram no meu potencial e me deram motivos para seguir focado, dedicado e sempre em busca do que eu mais queria na vida, seja qual sonho for.

Para quem me conhece a mais tempo, sabe que eu jamais deixei de estudar business e que eu tenho uma grande paixão pela administração de negócios. Principalmente, pela área de gestão. Decidi que irei voltar aos Estados Unidos para trabalhar e seguir minha vida como tem que ser. Da mesma maneira que eu estava focado para seguir a carreira futebolística, agora passarei a usar meus esforços para me juntar a alguma empresa ou talvez empreender, crescer e principalmente criar o meu legado. Espero das mesmas pessoas que me apoiaram antes e que me apoiam até hoje, que sigam me apoiando porque estarei com a mesma motivação, dedicação, foco e otimismo, apenas tomei outro rumo na minha vida. Já sonho em um futuro próximo me tornar um grande líder, um grande administrador. Acredito nisso, vou lutar para isso e o que eu sempre sonhei até hoje, eu realizei porque eu sempre luto até o final e jamais irei desistir.”

* Com informações da Assessoria Esportes Mais.

Notícias Relacionadas