E então Neymar chorou

Quando Tite enalteceu as qualidades sociais do atleta Neymar frente ao grupo de trabalho na Seleção Brasileira para a imprensa, o emocionado atleta foi do desabafo ao choro ao lado do seu comandante. O pedido por evitar uma generalização do atacante em volta de polêmicas vai muito além de apenas manter o foco do atleta dentro de campo. A atitude também mantém o grupo blindado em volta do treinador ás vésperas da Copa do Mundo da Rússia em 2018.

Aliás, extra oficialmente a XXI Copa do Mundo iniciou no amistoso da última sexta-feira contra o Japão. Poucas mudanças ocorrerão e o melhor que Tite poderia fazer era aproveitar o jogo para fortalecer suas ideias com o grupo de atletas. A braçadeira de capitão para William foi justa e longe de ser apenas um prêmio para o atleta. O atacante do Chelsea faz parte do grupo de operários de Tite, e foi de Dunga, e foi de Felipão… Ou seja, está há muito tempo construindo liderança e experiência com a camiseta da Seleção.

Outro ponto considerável do amistoso o sistema eletrônico esteve em pleno vapor. Comparecendo em pênalti para Seleção e um cartão amarelo para Neymar o novo sistema se impôs. Principalmente na reação dos atletas após a confirmação da correção feita pela arbitragem. Fora o zagueiro Yoshida, nenhum atleta pressionou o árbitro Benoit Bastien.

Com isso no futebol se apresenta uma nova tendência surgindo. Existe sim um limite em que os atletas passarão a ser mais contidos em suas reclamações devido o uso do VAR. E com o tempo teremos menos e menos catimba atrapalhando e atrasando a dinâmica dos jogos de futebol.

Vinicius Geissler é psicólogo formado pelo Centro Universitário Franciscano e Coaching graduado pela SLAC. Atua na área esportiva desde 2013 e escreve nas horas vagas.

Notícias Relacionadas