O futebol está perdendo a graça

Primeiro ato: a Federação Gaúcha de Futebol marcou o maior jogo do estado para um momento morno do campeonato. Em que a primeira fase do Gauchão já está encaminhada, com as duas equipes classificadas e acomodadas em suas “gorduras de pontos”.

Segundo ato: o Tribunal de Justiça Desportiva do Rio Grande do Sul puniu Nico Lopez com 4 jogos de suspensão após confusão no Alfredo Jaconi na vitória sobre o Juventude. O fato gerou enorme incomodação aos colorados, que contavam com seu maior destaque na temporada para o clássico GreNal.

Terceiro ato: o Presidente Marcelo Medeiros em decisão radical, informou que o time escalado para o clássico seria reserva. Como o time não precisaria dos pontos do jogo, a decisão também servia como retaliação ao campeonato e ao TJD e sua decisão em punir Nico Lopez.

Quarto ato: a imprensa se dirigiu então ao Presidente Romildo Bolzan e ao treinador Renato Gaúcho. Mesmo com as tentativas em “mitar” nas declarações do treinador, não foram suficientes para aquecer o clássico já frio de tão morno. O que nos leva ao quinto ato.

Às 19 horas de domingo, Anderson Daronco apitou o início da partida mais morna dos últimos tempos. Um jogador do Inter expulso, um gol do Grêmio e mais nada. Três pontos para o líder se isolar na tabela de classificação.

Sexto ato: quem vence fica com a sensação de meia vitória, quem perde sai feliz por ter enfrentado outros interesses antes mesmo do jogo começar. E o torcedor no meio, feito uma bola da Champions entre Iniesta e Xavi ficando tonto com tanto desinteresse pelo campeonato Gaúcho de futebol.

O futebol está perdendo a graça, e essa constante perda de graça vem de cima, das brigas de ego dos dirigentes dos clubes, tribunais e treinadores. Quando o jogo começa, o atleta pouco pode fazer e a torcida, iludida que verá um bom jogo, com segurança e sem que os donos do campeonato te empurrem para o (des)conforto do pay-per-view.

Vinicius Geissler é psicólogo formado pelo Centro Universitário Franciscano e Coaching graduado pela SLAC. Atua na área esportiva desde 2013 e escreve nas horas vagas.