O que acontece com Neymar?

O que acontece com Neymar? – EsporteSUL

Para continuar lendo, identifique-se com nome e email.

No Último domingo ocorreu a decisão da Copa da França entre Paris Saint Germain e Rennes. Mais incrível do que a recuperação de 0-2 para a vitória nas cobranças de pênaltis do Rennes, o golaço de Daniel Alves (o atleta mais campeão entre todos os atletas) ou a derrota do dominante PSG foi o ato de Neymar quando se encaminhava para receber sua medalha de vice campeão com seus companheiros.

Um torcedor do time campeão o chacoteou, exatamente como todos os torcedores fazem. Existem até apelos mais graves, como o racismo por exemplo. Mas Neymar reagiu, se aproximou do torcedor e o empurrou voltando para a subida com os colegas. Falando palavrões e com o parça Marquinhos insistindo na discussão com o mesmo torcedor e seu pequeno grupo de companheiros.

Ainda mais intrigante do que a motivação do atleta em agir dessa forma, está a sua passagem como um todo por Paris. Parece um personagem construído para irritar o torcedor, do seu time, da Seleção e dos adversários. Um grande talento estacionado numa liga ainda não tão forte como ele gostaria de se desenvolver.

No quesito carisma, parece que Neymar retrocedeu e não atingiu suas metas enquanto personagem do futebol. Substituir Ayrton Senna no imaginário do torcedor brasileiro como ambicionado por Neymar pai dependeria de atos heróicos e genuínos, além de títulos e protagonismo com e contra os melhores.

A luta pela Bola de Ouro ainda é uma verdade possível em seu horizonte. Porém, em um cenário em que Lionel Messi não dá indícios de uma aposentadoria e Cristiano Ronaldo tem fôlego, carisma e disciplina para muito mais é difícil acreditar que alguém supere a dupla. Salvo prêmios políticos como o do grande maestro do Real Madrid Luka Modric.

Um isolamento cada vez maior do craque brasileiro será visto com a natural punição que receberá por agredir um torcedor adversário. No passado, Patrice Evra recebeu severa punição por um ato semelhante (um tanto mais violento), mas que servirá de argumento para os cítricos de Neymar Jr cobrarem uma atitude dos órgãos responsáveis pelo futebol francês. Com o agravante, de que ao contrário do período se recuperando das lesões no carnaval brasileiro, o atleta não será poupado em suas aparições públicas e deverá no seu retorno ao futebol mostrar e conquistar muito mais para sair da mira das críticas.

Vinicius Geissler é psicólogo formado pelo Centro Universitário Franciscano e Coaching graduado pela SLAC. Atua na área esportiva desde 2013 e escreve nas horas vagas.