CÓPIA PROIBIDA

CONTEÚDO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITOS AUTORAIS

EsporteSUL - O esporte daqui é aqui www.esportesul.comFacebookInstagramTwitter

Chorem no começo para sorrir depois

As palavras de uma emocionada e indignada Marta após os exaustivos 120 minutos de jogo contra a França serão por muito tempo o grande legado de sua carreira na Seleção Brasileira. Os pedidos emocionados para que momentos como aquele sejam desfrutados jamais serão esquecidos.

A representatividade de nossa maior atleta no futebol desde que Ronaldinho Gaúcho se entediou foi exemplar. Muitas serão as garotas que seguirão seus passos e encontrarão no futebol o palco para realizar seus sonhos. Muitos serão os garotos que desejarão driblar, marcar gols e liderar a Seleção como nossa Rainha faz há muito tempo.

"Não teremos Marta nem Cristiane para sempre", dizia a Rainha, ainda no gramado do Estádio do Oceano em Le Havre. Para depois pedir licença aos reclames óbvios de falta de estrutura, atenção e igualdade para o futebol feminino no país. A atleta pediu às colegas, mesmo que indiretamente, para se preparar melhor para um jogo do tamanho de França x Brasil pelas oitavas de final de uma Copa do Mundo.

Um jogo do tamanho de França x Brasil, com o Estádio tomado de franceses confiantes de uma goleada, não apenas uma vitória, no confronto. Não basta apenas treinamento para momentos assim, é preciso se preparar física, técnica, psicologicamente. Estar envolvida com o grupo de trabalho.

As palavras da Rainha escancaram algo que há muito já incomoda no futebol masculino também. A falta de comprometimento por parte dos atletas, envolvidos em estilos de vida estranhos a um atleta de altíssimo rendimento. Afastando-os da torcida e gerando momentos como os de gelo total (salve Everton) vividos pelo time de Tite na atual CONMEBOL Copa América.

Que o emocionado desabafo sirva de luz para os atletas brasileiros no futuro se envolverem integralmente com seus compromissos. Ou que surjam aqueles que realmente desejam algo e o espaço seja tomado apenas por estes. E que antes da despedida final, o futebol e o esporte brasileiros possam desfrutar mais uma vez da elegância, coragem e representatividade de Marta, Cristiane e nossa interminável e valorosa Formiga nos gramados dos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2022.

Vinicius Geissler é psicólogo formado pelo Centro Universitário Franciscano e Coaching graduado pela SLAC. Atua na área esportiva desde 2013 e escreve nas horas vagas.

s2Member®